terça-feira, 16 de março de 2010

WoodsTOCOS, the festival!

Em novas viagens pelo interior da Bahia, acabo sempre descobrindo coisas inimagináveis... Um dia desses o sertão pode até virar mar de verdade, com tanto tsunami dando giros por aí...

Festas em cidade pequena são sempre o ponto crucial de feriados, férias ou um fim de semana de tédio. E a criatividade do interiorano é uma verdade, que a sua vã filosofia não pode nem chegar perto. Quem não se lembra da era hippie, como todas as bocas de sino, cabelo livres e música boa? Você vai logo se lembrar do Woodstock, festival que ficou na história americana. E porque não citar o WoodsTOCOS? Festival que fez o sertanejo jogar a cabeleira pra frente, botar o indicador e o mindinho pra cima e gritar: uhuuuuu! Não, gente... se a terra de lá não fosse tão seca, tinha caatingueiro procurando cogumelo durante os shows pra fazer um chá, o jeito foi ficar respirando aquele poeirão vermelho, que subia com aquele pessoal louco pulando até cansar.

A moda mostrou sua cara por lá também. Uma festa que começou nove horas da manhã, com aqueles 3 sóis que irradiam no sertão baiano, pra que traje mais adequado do que uma roupa preta com tênis preto ou coturno? O líquido mais visto lá era suor. Fora que se o cabra quisesse se refrescar, ele que levasse sua bebida, quem ia perder aquele showzão do WoodsTOCOS pra vender álcool, água ou soro?

O WoodsTOCOS serviu pra revelar talentos, teve banda que se formou para a festa e se encerrou na festa também, se existe carreira meteórica esse é um exemplo clássico. Bandas jovens, bandas com coroas jovens, alguém gritando da platéia: "toca Raul!", aquele músico esquecido dando uma canja, e que não queria parar de dar canja... Hendrix ia ter orgasmos com aquele cenário...

O evento não durou os 3 dias como o festival original, mas durou o suficiente para aquele bando de roqueiro sair de lá satisfeito, uns de bicicleta, outros nas motos (epidemia na cidade), dizem que tiveram os mais corajosos que se arriscaram a pé mesmo, o local não era dentro da cidade. Mas ficou a lenda que valeu a pena, que foi lançada a camisa oficial: "WoodsTOCOS, eu fui!" Dizem que virá a segunda edição da festa, enfim muitas lendas se criaram, mas a lenda maior ficou por conta do nome: WoodsTOCOS, coisa que nem americano pensaria numa terra tão quente e tão castigada de sol e de música duvidosa.


3 comentários:

  1. Amiga, não perco a segunda edição por nada.WoodsTOCOS, eu vou!!!

    ResponderExcluir
  2. Brumas City, a cidade onde tudo acontece

    ResponderExcluir